31.10.09

Eu também ando a escrever sempre o mesmo post

"Regressaram aonde estavam siva e parvati e entregaram-lhes a cabeça do elefante, a qual foi colocada no corpo de ganeixa, trazendo-o de novo à vida. E foi assim que nasceu ganeixa depois de ter vivido e morrido. Histórias da carochinha, resmungou um soldado, Como a daquele que, tendo morrido, ressuscitou ao terceiro dia, respondeu subhro, Cuidado, cornaca, estás a ir longe de mais, repreendeu o comandante,..."

José Saramago, in "A Viagem do Elefante"

O Tio Lancastre não diria melhor...

"Charme é a qualidade nos outros que nos torna mais satisfeitos connosco mesmos"



Henri Amiel, filósofo suiço

30.10.09

Dos dias de trabalho

Se eu podia ir a Madrid e não jantar na esplanada do Jose Luis uns revueltos com gambas, picar um queijo manchego e um presunto pata negra, devidamente acompanhado por um Rioja, enquanto leio tranquilamente o La Vanguardia?

Podia.

Mas não era a mesma coisa...

Se, ao menos, ela tivesse escolhido Bécaud...

27.10.09

Dez segundos

Ela é mesmo muito bonita, caramba, há muito tempo que não via uma mulher assim tão bonita, não é que seja do tipo fatal, nada disso, é sóbria, tem aquele je ne sais quoi que me fascina, o cabelo dela é fantástico, usa aqueles óculos rectangulares, de massa preta, ela falou, que suavidade, está mesmo à minha frente, cheira maravilhosamente, o decote está no ponto certo, o fato saia-casaco é de bom corte, céus, que mulher bonita, espera, vai para a secção de música, detém-se, pega num CD, ela pegou num CD de Michael Bublé, está a sorrir, vai mesmo levá-lo, bem, afinal é uma mulher que não é nada de especial, diria que é até um bocadinho vulgar, há muito tempo que não via uma mulher tão decepcionante.

O que vejo da minha janela (IX)

Paris

Foto: Visconde de Vila do Conde

26.10.09

No entanto, mereci um segundo olhar de algumas delas (é o que acontece quando estou com o meu sobretudo igual ao do Moustaki num dia com 30 ºC)

Hoje, enquanto esperava do lado de fora da Louis Vuitton que uma boa amiga se decidisse por uma das duas possibilidades que lhe tinha sugerido, verifiquei que novecentas e noventa e oito mulheres em cada mil que passavam naquela rua movimentada não me despertavam qualquer vontade de as apreciar com um segundo olhar.


Isto é capaz de ser indício de qualquer coisa. Como de costume, não sei bem o quê.

E, no entanto, neste bracinho não entrará nenhuma agulha...

Acabam de me informar que faço parte do grupo-alvo que receberá "A Vacina" numa primeira fase (não sou profissional de saúde, não estou grávido e, hossana, não sou titular de órgão de soberania).

A sensação é mais ou menos a mesma que era ter um telemóvel há quinze anos e colocá-lo em cima da mesa quando se ia jantar com os amigos, esperando ansiosamente que tocasse.

25.10.09

Tio Lancastre

Ninguém entrava no escritório do Tio Lancastre sem um bom motivo. Fazê-lo interromper o seu Cohiba Lanceros, fazer com que o Tio Lancastre ficasse a meio do seu Old Bushmills sem gelo, fazê-lo interromper a audição do Turandot, tinha que ser um caso de urgência extrema.

Uma noite, com a certeza que o motivo o justificava, entrei no escritório do Tio Lancastre. Tocava Dvorak, o Nocturne, pelo que intuí que o Tio Lancastre não estaria em nenhum período de grande reflexão. Quando me viu fez um leve sinal com a cabeça, que me deu ânimo para avançar.

Perguntei-lhe se me aconselhava a ser não ser absolutamente transparente com as mulheres, a fazer de conta que sou aquilo que não sou, só para lhes agradar. Que não, respondeu-me o Tio Lancastre, aconselhando-me longamente a não abdicar das minhas idiossincrasias, a jamais adbicar da minha identidade, a ser absolutamente inflexível nos meus princípios.

Aceitei o conselho do Tio Lancastre, sempre sábio. Mas, por uma vez, ele não estava certo...

Será maturidade, será...

Às vezes fico a pensar porque prefiro as que calçam Louboutin em vez de Jimmy Choo.

E também vou ver os U2 (ainda há bilhetes para o concerto de Munique, quem é amigo, quem é?...)

Depois eu conto como foi

24.10.09

Acabei de ler Caim, para que exista contraditório vamos ver a passagem do Evangelho segundo S. Marcos que amanhã será lido nas igrejas

"Depois chegaram a Jericó. E, ao sair ele de Jericó com seus discípulos e uma grande multidão, estava sentado junto do caminho um mendigo cego, Bartimeu filho de Timeu. Este, quando ouviu que era Jesus, o nazareno, começou a clamar, dizendo: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim! E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava ainda mais: Filho de Davi, tem compaixão de mim. Parou, pois, Jesus e disse: Chamai-o. E chamaram o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, ele te chama. Nisto, lançando de si a sua capa, de um salto se levantou e foi ter com Jesus. Perguntou-lhe Jesus: Que queres que te faça? Respondeu-lhe o cego: Mestre, que eu veja. Disse-lhe Jesus: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente recuperou a vista, e foi seguindo pelo caminho."

Reparai, a primeira problemática que aqui se depara é que os males do mundo parecem cair todos sobre um único homem. Como se já não bastasse ser mendigo, ainda por cima cego, este bom homem ainda tem um pai de má índole, que, para se vingar de ter sido baptizado como Timeu baptiza o filho ceguinho com o nome de Batimeu.

Ora Batimeu, ao ouvir que Jesus passava por ali (reparem na precisão de Mateus, se tivesse escrito que Batimeu VIU Jesus passar por ali retirava qualquer credibilidade ao milagre, uma vez que Batimeu via Jesus antes deste fazer o milagre e, consequentemente, já não havia lugar a um milagre que devolvia a visão a um homem que conseguia ver), Batimeu, dizia eu, clama por compaixão. Os seguranças de Jesus mandam calar Batimeu, mas como Batimeu não os vê, logo não tem imagem visual de meia dúzia de tipos entroncados, bíceps hiperdesenvolvidos e cabelo rapado, Batimeu continua a clamar como se não houvesse amanhã.

E que faz Jesus? Se fosse o Deus castigador de que fala Saramago, mandava os seguranças dar um enxerto de porrada em Batimeu, castigando-o pela sua impertinência, por estar a perturbar a oração que Jesus estaria a fazer. Mas não, Jesus quer saber o que pretende o cego. E Batimeu, que era cego mas não era paraplégico, levanta-se de um salto e vai ter com Jesus (naturalmente, e mais uma vez para salvaguardar a veracidade do milagre, aceitemos que Batimeu é conduzido por terceiros até Jesus, aqui Marcos não foi tão prudente na narrativa). E Jesus, magnânimo, pergunta-lhe o que pretende, reparem, Jesus aqui arrisca bastante (ou não, talvez Jesus soubesse qual a resposta de Batimeu), mas, se Jesus me perguntasse a mim o que eu desejava, talvez eu tivesse escolhido um Barca Velha do ano em que eu nasci, acompanhado por três gémeas enfermeiras ninfomaníacas (eu escrevi "talvez", note-se que eu aqui não sou conclusivo, talvez acabasse por escolher a paz no mundo, nunca se sabe) e, cá está a prova de que Saramago está errado quando se refere a um Deus feroz, caramba, Jesus faz a vontade de Batimeu, que lhe tinha pedido a visão, caramba, se isto não é bonito, bem sei que sou um sentimentalão de coração fraco, mas se isto não deita por terra a tese de Saramago, então não sei se não teremos que nos socorrer do milagre das Bodas de Canã...

23.10.09

Monty Python. 40 anos. Hoje.

Saio da Bertrand com o Bolaño para oferecer a uma boa amiga.

Sei que ela só lê nos transportes públicos e tem problemas de coluna.

Às vezes penso que devia ter um sentido de humor do tipo que aprecia o Camilo de Oliveira.

E aposto o que quiserem que o Rodrigues dos Santos estará ladeado por dois montinhos do Corão.

Na FNAC do Colombo, colocaram o monte das caixas metálicas com o Caim lá dentro (eles agora vendem o Caim em caixas metálicas, por menos de vinte euros leva-se o Caim, mais o Evangelho segundo Jesus Cristo e, evidentemente, a própria caixa metálica), dizia eu que o monte das caixas metálicas do Caim está entre dois montes de Bíblias.

Parece-me de gosto duvidoso.

(mas isto, lá está, sou eu que nunca tive qualquer sentido de estética, é olhar por mim abaixo e vê-se logo que esta gravata Chanel com bolas vermelhas não conjuga mesmo nada
com este fato Zegna com riscas verticais).

22.10.09

E sim, a música que se ouve em fundo é o Requiem. E, isto sim, tem uma mensagem subliminar.

Foto: Visconde de Vila do Conde

Em se vindo da Cathédral de Saint-Pierre, subindo pela Jean Jaurés e virando à direita chega-se direitinho ao Bar do Pilori. Já fui feliz no Bar do Pilori. Um dia destes aconteceu-me apetecer voltar ao Bar do Pilori, só para ter a certeza que uma Hoegardeen, provavelmente a melhor "blanche" jamais inventada, ainda me sabia ao mesmo.


Estava fechado, o Bar do Pilori. Qual é a mensagem subliminar disto? Provevelmente nenhuma, a não ser que me deu uma vontade enorme de beber um Old Bushmills sem gelo, o que vou fazer neste preciso momento. Old Bushmills e Hoegardeen? Ora, isto anda tudo ligado, perguntem a quem quiserem...

21.10.09

Calma, o post é do Horácio Inácio...

Foda-se, mas alguém é capaz de me explicar o que é essa merda do "Anúncio do Pingo Doce"?

20.10.09

Não deixa de ser divertido...

...pensar que o livro do Saramago vai ser um sucesso de vendas ... no Natal.

19.10.09

Não é que me apeteça falar desta problemática...

Fraqueza. Náuseas. Calafrios. Desconforto geral. Vómito. Ardor nos olhos. Garganta dorida. Dor de cabeça forte.

(Não, não estou com Gripe A. É como fico de cada vez que vou a Alvalade.)

17.10.09

Dos livros

Eu que já li setenta por cento dos livros do Top 10 desta semana da Bertrand e da Bulhosa, caramba, isto inclui o último do Philip Roth e o último do Sepúlveda, embora o último do Sepúlveda não me tenha demorado mais que um serão, nem devia contar para a estatística, isto inclui mesmo o último do Dan Brown, mas atenção, no original, comprado em Barajas, o que, parecendo que não, dá uma certa dignidade ao Dan Brown, isto, não incluindo o livro da Judite de Sousa, inclui o do Júlio Magalhães, eu que vou quase na página vinte do último do Lobo Antunes, aquele que tem um título com mais letras que muitos livros, nomeadamente o último do Sousa Tavares, eu que me estreei no Zimler, eu, meus caros, não li ainda Bolaño.

E isto faz de mim um homem sem tema de conversa quando se fala de livros.

16.10.09

Que isto anda tudo ligado...

Acabo de verificar que "A Vida de Brian" está encostadinho ao "Os Dez Mandamentos" na minha videoteca.

Alguém lá em cima certamente não gostou disto.

Está explicada a minha semana.

15.10.09

E, de repente...

... toda a gente julga saber o significado de um três invertido.

13.10.09

Tarte de Mirtilhos

Se a vida podia correr razoavelmente nos dias em que não te ofereço um café?

Poder, podia.

Mas não era a mesma coisa...

Às vezes penso que o devia trazer pendurado ao pescoço


5.10.09

Para memória futura

Quando eu ficar senil, sem dizer coisa com coisa, gostaria de, quando me perguntarem qual foi o pior filme português que vi na vida, não me esquecer de responder "Aquele Querido Mês de Agosto".

Muito pior que "Arte de Roubar". Francamente pior que "Corte de Cabelo", o que é obra.

Era só isto, obrigado.

3.10.09

Dos homens que choram

Lá por eu não chorar, toda a gente sabe que eu não choro, não quer dizer que não tenha ficado com os olhos húmidos quando ouvi o discurso do Lula, depois do Rio ganhar os Jogos.

Mas, lá está, ficar com os olhos húmidos não é chorar.

De onde se fala de Polanski sem falar em Polanski

Morreu ontem Marek Edelman, o último dos heróis do gueto judeu de Varsóvia, um dos mais fantásticos exemplos de resistência colectiva, duzentos homens praticamente sem armas de um lado, o exército alemão do outro, morrer em Treblinka ou morrer resistindo.

Hoje é um bom dia para rever "O Pianista".