31.8.11

À atenção do Real Club Zaragoza

Meus caros, tenho aqui uns sapatos de golfe praticamente novos e uma garrafa de Cointreau quase cheia.

São vossos por cem mil euros.

Atentamente, Visconde de Vila do Conde.

Que comecem os jogos

O binómio "homem branco bem apessoado com bebé negro às cavalitas" está para as mulheres como o binómio "rapariga de saia curta bem apessoada a sair do lugar de condutor de descapotável" está para os homens.

30.8.11

Se me tivessem apetecido blogs durante as férias (VI)

Há no Mónaco uma visita turística que se chama "Le grand Tour".

Não sei o que dizer sobre isto.

Se me tivessem apetecido blogs durante as férias (V)

Ninguém imagina quão emocionante pode ser entrar em Génova a assobiar a canção do Marco.

Tio Lancastre

"A grande maçada com as mulheres", começou o Tio Lancastre com a sua voz grave, enquanto me servia de uma generosa dose de um Médoc acabadinho de ser levado à temperatura certa, "a grande maçada com as mulheres, meu caro, é que não há maneira de considerarem a possibilidade de ser menos importantes para nós do aquilo que somos para elas".

29.8.11

Se me tivessem apetecido blogs durante as férias (IV)

E depois descias do glaciar, os músculos das pernas a latejar, a água que se tinha acabado, tu a pensar que se calhar teria sido melhor uns dias de praia, o caminhar sem fim. Do nada, surge Notre Dame de la Gorge.

E ficas com a certeza de que talvez Deus exista mesmo.

(Foto: Visconde de Vila do Conde)

Se me tivessem apetecido blogs durante as férias (III)

E agora dá-me a mão, não fales, quero levar-te a Monterrosso, a primeira das Cinque Terre, quero dar-te a beber um copo de Sciacchetrà, fecha os olhos.



(Já podes abri-los)


(Fotos: Visconde de Vila do Conde)

28.8.11

Se me tivessem apetecido blogs durante as férias (II)

(Foto: Visconde de Vila do Conde)

E depois, talvez a felicidade seja isto, um café depois de três horas de caminho.

(O Sporting o quê?...)

Se me tivessem apetecido blogs durante as férias (I)

(Foto: Visconde de Vila do Conde)

Talvez nunca tenhas subido à Aiguille du Midi, Wagner nos ouvidos, o vento a dar-te de frente, tu quase sem forças, um pé depois do outro, sempre um pé depois do outro. Nem sabes o que perdeste.

9.8.11

The printed blog

Estava aqui a ler a "The Printed Blog", edição Portugal e a primeira coisa que posso dizer é que o velho mito de que as bloggers são todas feias cai definitivamente por terra.

(já os bloggers...)

Da mesma forma que hoje nos interrogamos sobre a problemática dos penteados à Sheena Easton...

... um dia debruçar-nos-emos sobre os desígnios insondáveis que concorrem para que uma mulher opte pelo binómio calça branca transparente - cueca de gola alta.

8.8.11

(ainda estou com os nervos em franja)

Eu pensava que ia a São Carlos assistir ao Barbeiro de Sevilha, levava o Ulysses debaixo do braço, nem sei porque levava um livro debaixo do braço, e logo o Ulysses, que é pesado, só que entrava no São Carlos e aquilo afinal era o Colombo e eu ficava baralhado, depois começavam a aparecer indivíduos vestidos de vermelho, o Benfica jogava nessa noite, e eu ficava ali no corredor central, petrificado, olhava para as escadas rolantes e via filas de pessoas do Bnefica, umas a subir e outras a descer, a visão era horrível, mas podia piorar, e piorou, agora eram mulheres enormes vestidas de vermelho que se dirigiam para mim, todas com umas mamas muito grandes e muito descaídas, com umas camisolas a dizer Benfica e TMN, vinham de todos os lados e começaram a cercar-me, eu só lhes dizia que era engano, eu estava ali só para ver o Barbeiro de Sevilha, e quando elas me agarraram eu acordei e nunca me soube tão bem acordar de um pesadelo.

7.8.11

As coisas são como são

O treinador do Benfica diz "Xamponsligue" e "jegadores".

O treinador do Porto diz "adbersários" e "bitória".

O treinador do Sporting diz "temos que melhorar processos" e "peço paciência aos sócios".

6.8.11

Na minha aldeia, como em todas as aldeias, há dois malucos, o maluco bom e o maluco mau.

O maluco bom tem uns óculos grossos, calça umas sandálias com meias brancas, veste umas camisas havaianas qua não combinam com as calças que lhe ficam curtas. Sorri para toda a gente e agradece as sandes de carne assada que as senhoras velhinhas lhe estendem quando estão pessoas a ver.

O maluco mau tem o cabelo desgrenhado e anda sempre às voltas na praça, às vezes grita aos miúdos e depois ri-se, diverte-se a bater palmas fora de tempo à banda filarmónica que toca no coreto e agradece aos homens que lhe oferecem minis de super bock quando ninguém está a ver.

O maluco mau simpatiza comigo e acaba sempre por me descobrir no meio das pessoas para me contar anedotas que os meus filhos não deviam ouvir. Ontem rimo-nos os dois e depois o maluco mau perguntou se eu lhe pagava um mini e eu fiz como as senhoras velhinhas e saiu uma sandes de carne assada e ele foi para o coreto e quando a banda filarmónica atacava uma música tranquila de um senhor compositor de marchas militares tranquilas, o maluco mau gritou "Toca mas é o Malhão" e riu-se alto e saiu dali para fora e foi uma sorte que a sandes de carne assada não tivesse acertado no maestro da banda filarmónica, se fosse uma garrafa de mini super-bock, acertava-lhe de certeza.

Visão de longo prazo

Um dia, há muitos anos, ainda as coisas se vendiam em francos, comprei numa livraria do Quartier Latin um livro que tinha escrito na capa "Tour du Mont Blanc" e tinha lá dentro mapas e símbolos e algumas, poucas, fotografias. Achei que talvez me fizesse falta um livro que explicasse como se sobe ao Monte Branco. E faz.

5.8.11

O Capitão América...

... só beijou a miúda uma vez. E beijou mal.

4.8.11

Meu querido mês de Agosto

Nem todos os meus Agostos foram assim, atento aos mercados, o que quer que sejam os mercados, a carregar em "send" e a ver seguir coisas escritas com instruções que, convenço-me eu, são estratégias venencedoras para aplicar depois de acontecer o que ainda nem sequer foi inventado.
Porque Agostos existiram em que o objectivo era saber quem primeiro conseguia chegar à ilha da barragem a nado, à noite haviam de se comer melancias que tinham ficado todo o dia no rio, Agostos existiram em que rezávamos para que não aparecesse nenhum carro em sentido contrário ao nosso, que descíamos para a vila em bicicletas sem travões, Agostos existiram em que gastávamos um par de ténis Sanjo por semana a jogar à bola, Agostos existiram em que tínhamos trinta dias de Europa à nossa frente, um bilhete de comboio, um mapa estendido no chão, em que escolhíamos a próxima cidade porque era para lá que iam as miúdas italianas que estavam no compartimento ao lado do nosso.

(cada vez mais abichanado, este blog)

3.8.11

Tio Lancastre

"Pensa como quiseres, meu rapaz", dizia-me o meu Tio Lancastre enquanto escolhia o melhor ferro para atacar o buraco treze, "Pensa como quiseres, mas, se desejares realmente uma mulher, diz-lhe que não, mesmo que quase vaciles e creias que o "sim" é a palavra certa, mesmo que o "sim" quase te salte da boca". E perscrutando o horizonte e tomando balanço para que a bola não caísse no lago, caía sempre, puxando uma baforada do Partagas nº1 enquanto semicerrava os olhos para melhor acompanhar a curva descendente da bola que havia de cair no lago, caía sempre, continuou "Se lhe disseres que sim, provavelmente não mais a verás e lamentarás ter cedido, o "não" é a única forma de conservar uma mulher perto de ti até ao fim dos teus dias".

(E foi nesse dia que eu percebi que o Tio Lancastre também se enganava)

2.8.11

Os números, devidamente torturados, dizem o que nós quisermos

Isto do Benfica ter trocado o Roberto por aquele monte de notas é mais ou menos como se o meu banco já tivesse dado como perdido o dinheiro que lhes devo e, em troca do perdão da dívida, me tivesse comprado pelo valor da dívida perdoada um quadro do "Menino a Chorar" que eu tenho guardado algures no sótão.

Não, pois não?

Já falei daquele dia em que eu quis fazer uma surpresa aos meus sobrinhos e peguei em meia dúzia deles e abalámos todos para Alvalade e eles pensavam que iamos dar um giro pela cidade e afinal fomos ver o jogo da bola e vimos um leão branco puxado por um trator e o leão estava ali com uma cara muito aborrecida, em calhando apetecia-lhe estar noutro sítio qualquer e mesmo estando o leão relaxado ouviam-se no estádio uns rugidos muito ferozes e nós até nos rimos e depois aconteceu aquilo que se sabe e acabou tudo com os meus sobrinhos a animar-me e a dizer que a vida é mesmo assim e que o que conta é a intenção e a minha intenção foi boa e eu fiquei tão comovido com os meus sobrinhos que acabámos todos no Mc Donalds?

1.8.11

Ceci n'est pas une pipe

O tipo do retrato ali de cima sou eu, num dia em que tive medo de morrer. Aborrece-me vir aqui escrever coisas e ver um retrato meu, tirado  num dia em que tive medo de morrer, logo eu que, tirando essa ocasião e mais duas, nunca pensei muito nisso de poder morrer logo ali se não tivesse sorte.

Havia nevoeiro e eu tive que parar, logo eu que não gosto muito de parar. Mas, se não parasse, se teimasse em seguir em frente como se não houvesse nevoeiro, eu era bem capaz de morrer, já não havia ninguém em pista para além de mim e de quem me tirou o retrato. Não se nota bem no retrato, mas havia um abismo no meu lado esquerdo e os abismos, parecendo que não, são desagradáveis quando o nevoeiro é denso.

Um dia destes, em não tendo nada que fazer, sou capaz de tirar outro retrato para prantar ali, eu sempre gostei de retratos no cimo dos blogs, pelo menos no cimo dos meus blogs. Talvez escolha um retrato sem tanto nevoeiro, nunca se sabe.