31.1.12

Dâmaso Salcede

Parece que a FNAC lá acabou com aquilo de trocar os Maias pela Meyer.

Sempre gostava de saber se alguém deu umas bengaladas no criativo da coisa, em frente à FNAC do Chiado.

30.1.12

O momento da angústia do guarda-redes antes do penalty

De todos os rapazes do meu tempo, o Meirelles de Menezes, o meu bom e velho amigo Meirelles de Menezes, sempre com o seu Cohiba apagado ao canto da boca e com as suas gravatas que chocam com o padrão da camisa é o mais incorrigível coleccionador de companhias femininas. O segredo, conta-me ele a meia voz, chamando-me de parte como se de um segredo tremendo se tratasse, é ser directo e não ter rodeios. "Que isto, caro Visconde, desconcerta-as, um homem diz-lhes ao que vem e elas, habituadas que estão às entrelinhas, aos longos jogos de palavras, ficam baralhadas, primeiro fingem indignação, ensinaram-nas assim, mas depois...".

Fico a pensar que o Meirelles de Menezes é assim como que uma espécie de Juan António, o tipo que se levantou da mesa onde estava sentado com os seus amigos e foi à mesa da Vicky e da Cristina e logo as convidou para jantar em Oviedo, jantavam primeiro e dormiriam na mesma cama depois, isto do "dormiriam" é uma maneira de dizer as coisas, claro está, mas a verdade é que o bom do Juan António acabou mesmo por levá-las a Oviedo e acabou por dormir com ambas, embora não ao mesmo tempo, essa situação do "ao mesmo tempo" só se proporcionou com a Vicky e com a Penélope Cruz, que fazia de não sei quem, uma desvairada que andava aos tiros, mas na verdade vem dar ao mesmo, até com vantagem.

Entretanto, o Leonard Cohen lançou hoje um disco, e isso é que é verdadeiramente importante.

29.1.12

Mantra

Não voltarei a indexar escrever no blog às vitórias do Sporting.
Não voltarei a indexar escrever no blog às vitórias do Sporting.
Não voltarei a indexar escrever no blog às vitórias do Sporting.
Não voltarei a indexar escrever no blog às vitórias do Sporting.
Não voltarei a indexar escrever no blog às vitórias do Sporting.

16.1.12

Caro Domingos

Domingos, meu bom rapaz, as coisas são fáceis mas, ainda assim, vou explicar-te. Ao Rui Patrício, só tens que lhe explicar que há duas coisas que um guarda-redes tem que saber, a primeira é que é desagradável se a bola ultrapassar aquela linha branca que une os postes da baliza e a segunda é que não pode segurar com as mãos as bolas que são atrasadas pelos tipos que estão com equipamento às riscas verdes e brancas. São só duas coisas, estou aqui a pensar que profissão mais simples não deve haver, mesmo eu, que tenho uma profissão simples, tenho que saber mais do que duas coisas para cá ir fazendo pela vida.

Depois, o Carrillo. Bem sei que os livros dizem que se deve proteger os jogadores jovens, dar-lhes minutos, não os colocar a jogar o jogo inteiro. Fazes assim: metes o Bojinov de início e substituis o Bojinov pelo Carrillo aos trinta segundos de jogo, ambos sabemos que o Bojinov não fará melhor nos restantes oitenta e nove minutos e meio e cumpres o que vem nos livros e o Carrillo não joga o jogo todo.

Esquece o Polga, deixa-o lá estar na vidinha dele, se ele pedir para ir ao Brasil visitar a família, acede, os jogadores têm lá as suas coisas particulares e ganhas o respeito do balneário. Se ele pedir para ficar mais um mês, respondes "Por amor de Deus, Polga, fica mais três meses, percebemos perfeitamente". E, caro Domingos, nós percebemos, a sério que sim, que o Polga tenha que ficar lá até ao fim de dois mil e dezoito.

O Matias Fernadez é para jogar no meio, na "posição nove", como agora diz aquele tipo dos caracóis e das gravatas com padrões lamentáveis e que fala na SIC Notícias. No meio, não é colado à linha, ao Matias acontece-lhe o mesmo que a mim, atrofiamos quando nos encostam à linha, eu ainda invento maneira de desviar a linha para onde me apetece, mas o Matias não.

O Elias, o Schaars, o Wolfswinkel e o Capel jogam sempre. Sempre.

E tu, meu caro Domingos, faz de conta que te ouvem no campo Não precisas de suar como suava o Camacho nem de ter mau ar como tem o Jesus nem de parecer ridículo como aquele tipo do Porto que agora não me lembro o nome. Mas, por quem és, não te encostes ao barrote que segura aquele telheiro onde estão os suplentes e o roupeiro Paulinho, não coces o queixo para pareceres um intelectual que está ali a matutar numa solução matemática para ganhar os jogos, toda a gente sabe que os tipos da bola não são grande coisa nas matemáticas, descruza as pernas porque corta as energias fengshuianas e dá dois berros lá para dentro.

Era só isto, só volto a escrever neste blog quando o Sporting ganhar um jogo.

15.1.12

Tio Lancastre

O meu Tio Lancastre, que apreciava guiar o seu velho MG encarnado, uma relíquia que guardava para dias em que decidia aconselhar-me a caminho do almoço no Guincho, dizia-me que não serve de nada ter um telemóvel caro se ninguém nos liga, comprar uma garrafa de Barca Velha se não temos com quem a partilhar, reservar mesa no Vila Joya se não tivermos com quem conversar ou reservar viagem para Paris se não tivermos que nos acompanhe.

Eu, que não poucas vezes bebi sozinho um bom vinho, que viajo para cidades bonitas sem companhia e que não é por circunstancial falta de com quem conversar que abdico de jantar em restaurantes que gosto, fiquei a matutar que deve ser desagradável ter um telemóvel caro e não ter quem nos chame.

7.1.12

E agora saio para Alvalade

A forma mais ou menos efusiva de como o Domingos vai comemorar cada um dos três golos do Sporting ditará se ele será o próximo treinador do Porto.

Resumo das notícias da semana

Grande Loja do Pingo Doce.

3.1.12

E ao terceiro dia de 2012...

...nada de crise, nem de aborrecimentos. Ainda perguntei se o café não tinha aumentado, mas a Dona Isolete respondeu, com um sorriso radioso "Não, menino. São os cinquenta e cinco cêntimos do costume".


2.1.12

Estudos

Resumindo, minhas senhoras, uma lampreia de ovos bem mastigadinha é o mesmo que uma salada mista comida à pressa.

Cara classe média-baixa...

... é aproveitar e beber as últimas gotas de Jameson novo que sobrou da passagem de anos em casa dos sogros, encomendar "frango assado para todos" na Valenciana antes que a miudagem tenha tempo de escolher rosbife, aproveitar a descida da ponte Vasco da Gama para pôr em ponto morto o Qasquai branco comprado antes que o IVA subisse, rezar para que a neve rareie em Sierra Nevada e poderem justificar este ano não "ir à neve", visionar até à exausão o filme das férias em Punta Cana "tudo incluído" compradas em vinte e quatro suaves prestações, suspirar e mandar reparar a tenda do parque da Costa de Caparica, que isto de a coisa afinal estar melhor do que parece só acontece nos reclames da Coca-Cola.