24.2.12

Sabes?

Os amores para sempre são os que nunca chegaram a sê-lo.

7 comentários:

Stiletto disse...

Sei, claro. Aprendi da maneira mais difícil.

Anónimo disse...

O amor é um acto de vontade e por isso, é livre e exige a liberdade do amado: é um conflito. E é uma fonte onde a água que corre, corre, independentemente da estação do ano.
E não estou a celebrar o conteúdo enfadonho da mística, de tão fictício, porque lhe falta desejo e sentimento e portanto desumanizado.
O amor é o invisível no habitual.
Tristão e Isolda morreram porque o coração deles se partiu, como um cristal; não era um músculo, era um vaso sagrado, a que alguns chamam Santo Graal. E quando a fibra íntima do Santo Graal é tocada, ele parte-se em mil pedaços.

Maria Helena

(Comento porque, Stiletto, o seu comentário comoveu-me; os espelhos dão-nos sempre uma imagem)

Stiletto disse...

Eu continuo a achar que não há melhor definição de amor, que aquela cantada por Camões.
Esse amores para sempre, fazem-nos celebrar a vida e deixam-nos um sorriso nos lábios de quando em vez.

(o que escreveu é muito bonito Maria Helena, e fico lisonjeada por indirectamente ter inspirado tais palavras)

Cuca disse...

Visconde:
Igualmente válido (pelo menos estatisticamente) para aqueles amores que se "apanham" aos oitenta anos.

Sophie disse...

Brilhante.

A. Leya disse...

Aprendi da pior maneira.

je suis...noir disse...

Polémico: talvez sim, talvez não...

(às vezes não)